notas de corte sisu

Comensalismo, mutualismo e parasitismo

Última atualização em 19 de agosto de 2022

A simbiose descreve vários tipos de arranjos de vida entre diferentes espécies de organismos em um ecossistema. Esses relacionamentos podem ser benéficos, neutros ou prejudiciais a um ou ambos os organismos chamados simbiontes. Na complexa rede da natureza, as espécies geralmente têm vários relacionamento simbiótico de cada vez.

A simbiose pode assumir duas formas conhecidas como obrigatórias e facultativas. Na simbiose obrigatória, um ou ambos os organismos dependem inteiramente do relacionamento e morrerão sem ele. Por outro lado, os organismos nas relações facultativas podem viver independentemente um do outro.

As relações simbióticas também são descritas pela relação física entre os simbiontes. A simbiose conjuntiva ocorre quando os simbiontes têm contato corporal entre si. Por outro lado, os simbiontes que não têm contato físico têm uma relação simbiótica disjuntiva. O termo ectosimbiose é quando um organismo vive em outro, como uma pulga que vive no pêlo de um cachorro. A endossimbiose é um relacionamento em que um simbionte vive nos tecidos de outro, como bactérias que vivem no intestino humano.

Comensalismo, mutualismo e parasitismo são as três principais categorias de simbiose encontradas na natureza.

Comensalismo

Em um relacionamento comensal, uma espécie se beneficia e há um efeito neutro no outro – nem benefícios nem são prejudicados. Um exemplo desse relacionamento são os pássaros construindo ninhos nas árvores. Os ninhos não interferem na fotossíntese e têm peso leve, para que não dêem uma pressão nas árvores. Os pássaros, por outro lado, se beneficiam por ter seus jovens protegidos dos predadores no chão e escondidos pelas folhas e galhos da árvore. A árvore também pode fornecer uma fonte de alimento acessível para as aves, como bagas, larvas e insetos. Outros exemplos de comensalismo são aranhas girando teias em plantas e caranguejos eremitas que usam conchas descartadas de caracóis para se proteger.

Às vezes, os relacionamentos comensais são difíceis de identificar, porque pode ser difícil provar que um simbionte não se beneficia de alguma forma com o relacionamento.

Mutualismo

Nesse tipo de simbiose, ambos os organismos se beneficiam do relacionamento. Um exemplo clássico disso é a relação entre cupins e os protistas que vivem em seu intestino. Os protistas digeram a celulose contida na madeira, liberando nutrientes para o benefício do cupim. Por sua vez, os protistas recebem um suprimento constante de alimentos e vivem em um ambiente protegido. Os próprios protistas também têm um relacionamento simbiótico com as bactérias que vivem em seu intestino, sem as quais não puderam digerir a celulose. Essa relação entre cupins e protistas é obrigatória – os cupins morreriam de fome sem os protistas para digerir sua comida.

Outros exemplos de mutualismo são as algas que vivem nos tecidos de coral em recifes, peixes -palhaço que vivem nos tentáculos das anêmonas do mar e a relação entre o pássaro de boi e as zebras e rinoceroses nas planícies africanas.

Parasitismo

O parasitismo é um relacionamento em que um simbionte se beneficia (o parasita) e o outro (o host) é prejudicado de alguma maneira e pode eventualmente morrer. Os parasitas podem danificar seus anfitriões ou enoolhá -los e torná -los fracos. Geralmente, existe um processo de seleção interno que diminui a taxa de dano ao host, dando tempo ao parasita para concluir seu ciclo reprodutivo e para que seus filhos encontrem um novo host.

Uma tênia no trato digestivo de um humano ou outro animal é um exemplo de um relacionamento parasitário. O worm se alimenta do alimento que a pessoa come e cresce dentro do intestino, às vezes atingindo 50 pés de comprimento. Outros exemplos são o parasita da malária espalhado por mosquitos, pulgas e carrapatos e pulgões que sugam a seiva das plantas.

Referências

  • Nelson, D. (2018, 6 de fevereiro). Mutualismo, comensalismo, parasitismo: tipos de simbiose com exemplos. Recuperado em 23 de maio de 2018, em https://sciencetrends.com/comparing-examples-mutualism-commensalism-parasitism-symbiosis/
  • Simbiose. (2018, 9 de maio). Na Wikipedia. Recuperado em https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=symbiose&oldid=840414702

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.