Anéis de árvores

Anéis de árvores fornecem uma visão do clima passado da Terra

Última atualização em 4 de outubro de 2022

Se você olhar pela janela, poderá dizer se está chovendo ou ensolarado agora, mas isso não diz muito sobre o clima da sua região: as condições climáticas médias da área durante um longo período de tempo (30 anos ou mais). No entanto, aquela grande árvore em seu quintal mantém um registro climático detalhado há décadas.

As árvores podem viver centenas e às vezes até milhares de anos. Ao longo desta longa vida, uma árvore pode experimentar uma variedade de condições ambientais: anos úmidos, anos secos, anos frios, anos quentes, geadas precoces, incêndios florestais e muito mais.

Como as árvores acompanham informações climáticas?

Anéis de árvores
Anéis de crescimento das árvores

Se você já viu um toco de árvore, provavelmente notou que o topo de um toco tem uma série de anéis concêntricos. Esses anéis podem nos dizer a idade da árvore e como era o clima durante cada ano de vida da árvore. Os anéis de cor clara representam a madeira que cresceu na primavera e no início do verão, enquanto os anéis escuros representam a madeira que cresceu no final do verão e no outono. Um anel claro mais um anel escuro equivale a um ano de vida da árvore.

Como as árvores são sensíveis às condições climáticas locais, como chuva e temperatura, elas fornecem aos cientistas algumas informações sobre o clima local daquela área no passado. Por exemplo, os anéis das árvores geralmente crescem mais nos anos quentes e úmidos e são mais finos nos anos em que está frio e seco. Se a árvore passou por condições estressantes, como uma seca, a árvore dificilmente crescerá nesses anos.

Os cientistas podem comparar árvores modernas com medições locais de temperatura e precipitação da estação meteorológica mais próxima. O Serviço Nacional de Meteorologia mantém registros meteorológicos nos Estados Unidos desde 1891, mas árvores muito antigas podem oferecer pistas sobre como era o clima muito antes de as medições serem registradas. E o estudo de climas passados ​​é chamado de paleoclimatologia.

Como não podemos voltar no tempo para aprender sobre climas passados, os paleoclimatologistas confiam em fontes naturais de dados climáticos, como anéis de árvores, núcleos perfurados no gelo da Antártida e sedimentos coletados no fundo de lagos e oceanos. Essas fontes, chamadas proxies, podem estender nosso conhecimento sobre o tempo e o clima de centenas a milhões de anos.

As informações de proxies, combinadas com informações meteorológicas e climáticas de satélites da NASA, podem ajudar os cientistas a modelar os principais eventos climáticos que moldaram nosso planeta no passado. E esses modelos também podem nos ajudar a fazer previsões sobre quais padrões climáticos esperar no futuro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.