notas de corte sisu

Sistema límbico

Última atualização em 19 de agosto de 2022

Definição

O sistema límbico consiste em uma série de estruturas cerebrais responsáveis pelo processamento de sentidos e emoções para resultar em novas memórias e mudanças corporais. Ele processa esses estímulos como sinais elétricos em todo o sistema nervoso central, permitindo a formação de memória, bem como mudanças autonômicas e comportamentais. Por fim, o sistema límbico se comunica com o sistema endócrino para permitir a liberação de hormônios para que o corpo possa responder adequadamente aos estímulos apresentados.

Visão geral do sistema límbico

Por que isso é importante?

Nossas emoções desempenham um papel crítico na maneira como nos comportamos, e acredita-se que emoções fortes- como medo e raiva- foram utilizadas como um mecanismo evolutivo para a sobrevivência. Por exemplo, quando havia um estímulo no ambiente que provocava um senso de ameaça, o sistema límbico reconheceria esse sentido como medo e criaria uma resposta física no corpo- como aumentar a freqüência cardíaca ou liberar adrenalina na corrente sanguínea- como uma maneira de aumentar as chances de sobrevivência. O sistema límbico codificaria essa ameaça à memória, para que o indivíduo possa reagir rapidamente se confrontado novamente no futuro.

Como funciona?

O sistema límbico abrange várias regiões no cérebro, e a funcionalidade completa do sistema ainda está para ser totalmente compreendida. Apesar disso, os cientistas identificaram várias estruturas importantes para o sistema límbico, como o lobo límbico, a formação do hipocampo, amígdala, tálamo e hipotálamo. Essas estruturas são capazes de se comunicar, estimulando as células individuais das estruturas, conhecidas como neurônios. Eventualmente, são feitas conexões entre os neurônios que permitem processamento rápido do estímulo inicial até a mudança física final.

Revisão do sistema nervoso

O sistema nervoso é composto de células nervosas únicas conhecidas como neurônios, especializadas por sua capacidade de se comunicar com sinais elétricos em velocidades de até 120 metros/segundo. Essas altas velocidades são críticas para a função do sistema nervoso, pois permite que um único neurônio envie informações ao cérebro e volte quase instantaneamente.

O neurônio é composto por três partes principais que trabalham juntas para enviar estes sinais:

Em repouso, os neurônios têm um potencial de membrana que é determinado pela concentração de íons em ambos os lados da membrana do neurônio. Quando um estímulo é recebido, os neurônios criam uma mudança rápida e temporária nesse potencial- agora chamado de potencial de ação. Esses potenciais de ação mudam rapidamente a polarização do neurônio, permitindo que os sinais sejam passados entre os neurônios.

Os neurônios se formam para criar a totalidade do sistema nervoso, que é dividido em dois subsistemas: o sistema nervoso central e o sistema nervoso periférico. O sistema nervoso central (SNC) inclui o cérebro e a medula espinhal, enquanto o sistema nervoso periférico (PNS) inclui todos os outros neurônios distribuídos por todo o corpo. Focaremos principalmente no cérebro do SNC ao discutir o sistema límbico, com uma leve mencionação do PNS ao discutir o hipotálamo.

O cérebro é dividido em grandes estruturas, incluindo o cérebro, o cerebelo e o tronco cerebral. Para o sistema límbico, a estrutura do foco é o cérebro, que é dividido em dois hemisférios conectados pelo corpus collosum. O cérebro é posteriormente organizado em lobos, incluindo os lobos frontal, parietal, temporal e occipital. Cada lobo é conhecido por processamento e funcionamento de informações específicos, onde estruturas específicas tendem a ser localizadas dentro de um lobo específico. O sistema límbico une várias estruturas e funções nesses lobos para processar rapidamente novas informações e iniciar respostas apropriadas em todo o corpo.

Estruturas, conexões e funções do sistema límbico

Lobo límbico

A primeira região principal do sistema límbico é o lobo límbico. O lobo límbico contém várias estruturas importantes do sistema límbico, mas a totalidade do sistema límbico não se limita apenas a esse lobo. As estruturas significativas encontradas aqui incluem o córtex cingulado e o giro parahippocampal.

O córtex cingulado é uma parte interna do cérebro que fica superior (acima) e dorsal (atrás) do corpus collosum. Consiste em uma seção anterior (frontal) e posterior (atrás), que recebe informações da formação do tálamo e do hipocampo.

A principal função dessa área é regular a função autonômica e a função consciente. As funções autonômicas incluem mudanças involuntárias- como um aumento na freqüência cardíaca para uma ameaça no ambiente- enquanto as respostas conscientes incluem escolhas voluntárias- como a decisão de reagir à ameaça (por exemplo, dar um passo atrás). A resposta consciente também é importante ao controlar emoções. Em outras palavras, em vez de perceber a emoção em si (por exemplo, sentir dor), o córtex cingulado controla o que o indivíduo pensa da emoção (por exemplo. Como você se sente sobre a dor).

O giro parahippocampal é composto de várias regiões distintas na seção intermediária do lobo temporal. A mais significativa dessas regiões inclui o córtex entorrinal, que o giro parahippocampal usa para enviar informações do córtex para a formação do hipocampo.

Formação do hipocampo

A formação do hipocampo é encontrada no lobo temporal posterior à amígdala e anterior ao esplenium do corpus caloso (a porção mais posterior do corpus colosum). As três estruturas principais encontradas nessa área incluem o hipocampo (também conhecido como chifre de Ammon, que é segmentado em quatro grupos de axônios-CA1, CA2, CA3 e CA4), o giro dentado e a região subticulum do complexo subicular.

O hipocampo é uma estrutura em forma de chifre que circunda os ventrículos laterais. A principal função é processar novas informações e formar memórias de longo prazo, que são armazenadas em regiões alternativas em todo o cérebro. Se danificado, um indivíduo não consegue criar novas memórias de longo prazo. No entanto, o indivíduo é capaz de lembrar memórias de longo prazo já armazenadas.

O hipocampo geralmente recebe informações do córtex entorrinal do giro parahippocampal. Quando recebidos, as informações são tipicamente mediadas pela via performente. A via do desempenho envia sinais usando fibras em todo o subticulum do complexo subicular e para o giro dentado, onde as fibras se estendem do giro dentado aos axônios CA3. As garantias de Schaffer se conectam com dendritos nos axônios CA1. Os axônios CA1 contêm fibras que se estendem para fora do hipocampo e para regiões subsequentes dentro do cérebro.

Amígdala

A amígdala é encontrada na porção anterior do lobo temporal, diretamente em frente ao hipocampo. A amígdala é responsável por coordenar respostas voluntárias, involuntárias e endócrinas à raiva, medo e ansiedade. Os estímulos no ambiente de um indivíduo que são percebidos como ameaçadores são processados através da amígdala, permitindo que o indivíduo altere seu comportamento enquanto exposto à ameaça. Isso cria novos comportamentos associados à ameaça, permitindo que o indivíduo reaja rapidamente quando ameaçado no futuro. Essa é, portanto, a estrutura que medeia a sobrevivência, pois o medo e a raiva são emoções críticas ao alertar o cérebro das situações com risco de vida.

A amígdala mantém duas vias principais para processamento de informações: a rota dorsal e a rota ventral. Ambas as rotas enviam informações para o hipotálamo, enquanto a rota ventral também envia informações para o tálamo.

Tálamo

O tálamo é encontrado superior e lateral ao terceiro ventrículo e representa 80% do diencephalon. Os retransmia o tálamo de informações recebidas- como sentidos, incluindo visão, som, sabor e toque- e classificam de acordo com o córtex. Isso permite que as informações sejam organizadas em todo o cérebro e enviadas para onde criarão a resposta mais eficaz. As respostas finais incluem respostas voluntárias e involuntárias, excitações corticais, aprendizado e formações de memória.

*Nota: O cheiro não é processado pelo tálamo. O cheiro é recebido pelas lâmpadas olfativas e é enviado diretamente para processamento emocional e formação de memória.

HYOPTHALAMUS

O hipotálamo também está localizado no diencephalon, encontrado inferior ao tálamo e inferior e lateral ao terceiro ventrículo. A principal função está na regulação homeostática, pois o hipotálamo tem controle direto sobre o sistema nervoso autonômico (ANS). A ANS faz parte do PNS que supervisiona ações e ritmos involuntários dos órgãos viscerais, incluindo freqüência cardíaca, pressão arterial e movimento digestivo. A ANS abrange dois subsistemas- o sistema nervoso simpático (“luta ou fuga”) e o sistema nervoso parassimpático (“Rest and Digest”).

O hipotálamo é a estrutura central que deve ser estimulada para criar mudanças físicas no corpo. Isso ocorre porque o hipotálamo está diretamente conectado à glândula pituitária e, portanto, influencia imediatamente os hormônios liberados pela glândula pituitária. Essa conexão é uma conversa cruzada entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, traduzindo estímulos neurais recebidos pelo cérebro em alterações hormonais em todo o corpo.

Quando estimulados, o hipotálamo libera diretamente o hormônio liberador de corticotropina (CRH) na glândula pituitária, ativando assim o sistema endócrino. Como a glândula pituitária é composta de duas partes- a hipófise posterior e a hipófise anterior- essa ativação pode ser feita de duas maneiras. Primeiro, o hipotálamo pode criar e liberar diretamente células neurossecretas (ou neurohormônios) na hipófise posterior. A hipófise posterior libera seus próprios hormônios armazenados- como ADH e ocitocina- na corrente sanguínea a se espalhar por todo o corpo.

Alternativamente, o hipotálamo pode liberar células neurossecretórias em vasos sanguíneos que viajam e ativam a hipófise anterior. A hipófise anterior aumenta ou diminui os hormônios distribuídos no sangue, dependendo se as células neurossecretas do hipotálamo são enviadas para estimular ou inibir o hormônio específico.

A porção da hipófise que o hipotálamo interage com se- anterior ou posterior- depende do sinal recebido no cérebro e das necessidades corporais.

Exemplo. Durante a amamentação, a fixação do bebê ao mamilo da mãe envia as informações sensoriais do mamilo ao cérebro para o processamento. O hipotálamo é estimulado e as células neurossecretas ativam a glândula pituitária posterior e anterior. A hipófise posterior libera a ocitocina, enquanto a hipófise anterior libera prolactina na corrente sanguínea, que ativam as mudanças corporais necessárias para a lactação na presença do estímulo (o bebê de sucção).

Conclusão

O sistema límbico desempenha um papel crítico no processamento de sentidos e emoções em todo o cérebro para criar mudanças corporais. Ele usa um sistema altamente interconectado de estruturas e eventos para criar rapidamente essas mudanças, pois serve como um importante mecanismo de sobrevivência. Embora várias estruturas cerebrais tenham sido definidas anteriormente, a pesquisa está se expandindo para entender completamente o potencial desse sistema.

Questionário

1. Qual das seguintes estruturas cerebrais é tipicamente uma das primeiras afetadas pela demência?

2. Quais dos seguintes sentidos ignoram o tálamo?

3. Se a amígdala de um indivíduo deveria ser danificada, qual comportamento é o indivíduo mais provável de exibir?

Digite seu e -mail para receber resultados:

Bibliografia

Aparecer esconder

Freeman, S., Quillin, K., Allison, L. A., Black, M., Podgorski, G., Taylor, E., & Carmichael, J. (2017). Ciência Biológica (Sexta Edição.). Boston: Pear. Lopes da Silva, F. e Arnolds, D.E. (1978). Fisiologia do hipocampo e estruturas relacionadas. Ann. Rev. Physiol. 40: 185-216 Paxinos, G. (2012). “O sistema nervoso humano.” Academic Press. 18. 469-472 Swenson, Rand. (2006). “Capítulo 9. Sistema Límbico”. Revisão da neurociência clínica e funcional. Swenson. Rajmohan, V., & Mohandas, E. (2007). O sistema límbico. Indian Journal of Psychiatry, 49 (2), 132-139.

  • Freeman, S., Quillin, K., Allison, L. A., Black, M., Podgorski, G., Taylor, E., & Carmichael, J. (2017). Ciência Biológica (Sexta Edição.). Boston: Pear.
  • Lopes da Silva, F. e Arnolds, D.E. (1978). Fisiologia do hipocampo e estruturas relacionadas. Ann. Rev. Physiol. 40: 185-216
  • Paxinos, G. (2012). “O sistema nervoso humano.” Academic Press. 18. 469-472
  • Swenson, Rand. (2006). “Capítulo 9. Sistema Límbico”. Revisão da neurociência clínica e funcional. Swenson.
  • Rajmohan, V., & Mohandas, E. (2007). O sistema límbico. Indian Journal of Psychiatry, 49 (2), 132-139.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.