notas de corte sisu

Perguntas comuns sobre variação genética

Última atualização em 19 de agosto de 2022

Que tipo de seleção tende a aumentar a variação genética?

A seleção disruptiva, também chamada de seleção diversificada, aumenta a variação genética. Nesse tipo de seleção, os fenótipos extremos são favorecidos sobre os intermediários e isso geralmente impulsiona a formação de novas espécies. A seleção disruptiva é vista em espécies como lagostas, onde os machos têm várias estratégias de acasalamento, dependendo do seu tamanho. Os machos alfa grandes e dominantes têm acesso a mulheres usando sua força, enquanto na outra extremidade do espectro de tamanho, pequenos machos são oportunistas e se esgueiram e acasalam as fêmeas. Os machos de tamanho médio caem no meio-não grandes o suficiente para lutar pelo direito de acasalar e não pequenos o suficiente para se esgueirar. Esses homens são selecionados devido à seleção disruptiva, impulsionando a formação de lagostas masculinas mais grandes e pequenas.

Quais são as duas principais fontes de variação genética?

Duas fontes principais de variação genética são mutações aleatórias e recombinação genética. Mutações são mudanças na codificação de DNA que afetam a fisiologia, o comportamento e/ou a aparência de um organismo. Todas as mutações são aleatórias, o que significa que elas apenas acontecem e não são em resposta ao que um organismo “precisa” ou o que seria útil. Além disso, mutações no DNA das células somáticas (corpo) não afetam a evolução como mutações no DNA nas células sexuais. No geral, as mutações são raras e a maioria é prejudicial ou não faz nada. As principais causas das mutações são produtos químicos, radiação e erros que acontecem quando o DNA é copiado durante a divisão celular.

A recombinação, ou o “embaralhamento” do material genético, cria variação durante o processo de cruzamento sobre o qual acontece na meiose (veja a próxima pergunta).

Qual é a relação entre meiose e variação genética?

Quando os gametas são feitos durante a meiose, um processo chamado cruzamento acontece na Préfase I. Durante esse processo, 4 cromátides irmãs (2 de cada pai) se alinham paralelamente entre si em uma formação chamada tetrad. As cromátides masculinas e femininas se cruzam em certas áreas, formando uma estrutura chamada quiasma. O quiasma então se separa, e os segmentos de DNA quebrados dos cromátides maternos são unidos ao DNA dos cromátides paternos e vice -versa. Mais informações sobre a relação entre meiose e variação genética estão na resposta à pergunta abaixo “Como a reprodução sexual leva à variação genética?”

Por que a variação genética é importante?

Sem variação genética, alguns dos mecanismos básicos de evolução não podem operar e os organismos não se adaptarão e eventualmente morrem. A variação genética permite que a seleção natural ocorra, e isso aumenta a capacidade dos organismos de sobreviver a mudanças em seu ambiente e, finalmente, reproduzir. Ter filhos significa que as mudanças adaptativas nos alelos serão transportadas para a próxima geração.

Como as mutações levam à variação genética?

Em organismos sexualmente reproduzidos, as mutações nos gametas podem causar variação genética. Essa é uma ocorrência rara e, na maioria das vezes, mutações são letais ou não têm nenhum efeito. Mutações são aleatórias e não acontecem em resposta a mudanças ambientais. Portanto, eles não são adaptáveis, mas são importantes porque podem trazer variações que são testadas no ambiente. Se uma mutação for vantajosa para uma espécie que a variação é herdada pela prole e ajuda a garantir a sobrevivência da população.

Como a fertilização aleatória aumenta a variação genética?

A fertilização aleatória é o conceito de que todos os gametas são criados iguais quando se trata de suas chances de serem capazes de se reproduzir. Portanto, a fertilização aleatória não cria nova variação genética, mas oferece a todos os gametas a mesma oportunidade de transmitir seu DNA. Isso, por sua vez, preserva a variação que os gametas carregam. Se não houvesse fertilização aleatória, isso significaria que alguns espermatozóides e ovos têm melhores chances do que outros de fertilização ou fertilização. Ao longo de gerações, as versões genéticas com melhores chances são favorecidas e as outras variações desaparecem. Isso deixaria apenas uma versão de um gene ou conjunto de genes, diminuindo a quantidade de variação genética.

Como a reprodução sexual leva à variação genética?

A recombinação genética é a principal maneira de a reprodução sexual leva à variação genética. A recombinação acontece de três maneiras: através da separação de genes durante a meiose, a revenida aleatória de genes durante a fertilização e o processo de cruzamento durante a meiose.

A meiose resulta em 4 células filhas, cada uma com metade do número de cromossomos (haplóides) como célula -mãe e que são geneticamente distintos da célula pai. Além disso, durante a meiose, há uma troca de informações genéticas entre os cromatídeos maternos e paternos através do processo de cruzamento, criando mais variação. O conceito de níveis aleatórios de fertilização no campo de jogo e dá a todas as células sexuais uma chance igual de ter sucesso ao transmitir seu DNA, aumentando ainda mais a variação genética.

Referências

  • Variação genética. (n.d.). Na Wikipedia. Recuperado em 21 de março de 2018 em https://en.wikipedia.org/wiki/genetic_variation
  • Variação genética. (n.d.). Na compreensão da evolução. Recuperado em https://evolution.berkeley.edu/evolibrary/article/evo_17
  • Genética populacional. (n.d.). Na aprendizagem do lúmen, biologia sem limites. Retirado em https://courses.lumenlearning.com/boundless-biology/chapter/population-genetics/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.