notas de corte sisu

Fenótipo

Última atualização em 19 de agosto de 2022

Definição do fenótipo

Um fenótipo é a expressão física do DNA. Por outro lado, o genótipo é a composição química do DNA que causa um fenótipo específico. O DNA é primeiro transposto para o RNA, uma molécula de informação ligeiramente diferente, que pode ser traduzida em uma proteína. Os fenótipos são causados pelas interações das muitas proteínas diferentes criadas pelo DNA. Esse processo pode ficar incrivelmente complicado. Mesmo nas formas de vida mais baixas, existem milhares de genes, criando milhares de proteínas diferentes. Essas proteínas interagem de maneiras complexas entre si e com o meio ambiente, permitindo que o organismo obtenha energia de nutrientes.

Em um sentido simples, cada gene pode produzir uma única proteína. Essa proteína pode assumir várias formas diferentes, com base nos diferentes alelos da população. Algumas dessas formas serão funcionais, enquanto outras formas serão menos funcionais ou não funcionarão. Se uma característica for controlada por uma única proteína, o genótipo que o animal recebe para essa proteína determinará se essa característica é adaptativa ou prejudicial na busca da reprodução. Por exemplo, pessoas com fibrose cística (FC) têm uma mutação no gene que produz uma proteína específica para transportar moléculas de cloro entre membranas. Como seu genótipo contém uma mutação não funcional, a proteína criada não funciona corretamente. Assim, eles têm um fenótipo não funcional, causando muitos problemas de saúde.

Exemplos de fenótipo

Melanina

A melanina é uma molécula produzida por muitos animais. É conhecido como pigmento ou uma molécula que dá a tecido uma cor escura. Nos seres humanos, níveis variados de melanina nos cabelos, olhos e pele são o que causam uma grande variedade de aparências no mundo. Embora existam muitos genes que controlam a distribuição da melanina, existem apenas alguns genes responsáveis por sua produção. É por isso que, em qualquer população em todo o mundo, pode -se encontrar indivíduos que não produzem melanina, uma condição conhecida como albinismo.

Aqueles com albinismo, independentemente dos fenótipos de raça ou dos pais, não têm a capacidade de produzir melanina. Sem o pigmento em seu sistema, o cabelo e a pele parecem brancos e os olhos geralmente um tom de rosa. Todas as populações contêm albinismo porque o conjunto de genes responsáveis pela produção de melanina é grande e uma mutação em qualquer uma delas pode atrapalhar todo o processo. Embora as mutações sejam raras, quando pessoas suficientes estão se reproduzindo, a característica aparecerá. No entanto, devido à diminuição da proteção dos raios do sol, muitos com albinismo são submetidos a uma variedade de câncer de pele e oculares. Isso pode explicar por que o albinismo geralmente é visto em apenas uma pequena parte da população.

Os animais também experimentam o albinismo, pois os caminhos que produzem melanina neles são os mesmos que em humanos. De fato, o albinismo foi documentado na maioria dos mamíferos. Todos os mamíferos usam a melanina como pigmento. Outros grupos de animais usam pigmentos diferentes, com mecanismos diferentes para fazer esses pigmentos. O albinismo também é possível nesses animais, se os genes que produzem o fenótipo pigmentado forem interrompidos. Às vezes, essas mutações são selecionadas para, como no caso de animais de inverno, que geralmente mostram albinismo parcial em seus casacos, permitindo que eles se misturem e absorvam mais energia solar.

As ervilhas de Mendel

Gregor Mendel é mais conhecido por suas contribuições para a genética. Como frade em uma abadia da Alemanha, Mendel estudou os fenótipos de ervilhas. Mendel estava particularmente interessado na relação fenótipo entre a prole. Mendel notou que, quando criou ervilhas amarelas com ervilhas verdes, às vezes os filhos eram meio amarelos e meio verdes, e às vezes os filhos seriam todos amarelos. Mendel concluiu que cada ervilha carrega duas formas do gene para a cor. Agora chamamos esses alelos e sabemos por que as ervilhas de Mendel produziriam descendentes em diferentes proporções de cores. Nos quadrados de Punnett a seguir, cada quadrado representa uma prole em potencial entre os pais listados na parte externa do quadrado maior. Lembre -se de que cada pai fornece um alelo a cada prole. A praça Punnett é uma maneira fácil de visualizar isso.

O fenótipo de cor nas ervilhas é causado por um gene que produz o pigmento amarelo. Sem esse pigmento, os cloroplastos na vagem da ervilha dão uma cor verde. Cada organismo contém dois alelos para o gene, um recebido de cada pai. Se um organismo recebe um alelo que pode produzir o pigmento amarelo, a vagem da ervilha ficará amarela. Se, no entanto, nenhum dos alelos puder produzir o pigmento amarelo, as ervilhas parecerão verdes. O alelo amarelo é conhecido como alelo dominante, porque apenas um causará o fenótipo amarelo, ou aparência externa. O alelo verde é o alelo recessivo, porque você precisa de dois alelos verdes em um indivíduo para produzir

Termos de biologia relacionados

  • Transposição – permanecer no idioma do DNA, transpor é copiar o DNA em uma molécula de RNA que serve como recíproca do DNA.
  • Traduzir – Mudando para a linguagem das proteínas, o RNA é então convertido em uma cadeia de aminoácidos lendo o RNA em grupos de três conhecidos como códons.
  • Razão fenotípica – a razão de um fenótipos para os outros em uma população, que é diferente da razão genotípica.
  • ALELE – Uma forma específica de um gene, do qual você receberá um de cada pai, dando a você dois alelos para cada genótipo que trabalha juntos (ou um contra o outro) para produzir o fenótipo.

Questionário

1. Observe o gráfico nas plantas de ervilha. Em uma das plantas de ervilha YY, um geneticista é capaz de alterar um dos alelos y (amarelos) para um alelo Y (verde). O que isso mudará? A. Genótipo B. Fenótipo C. Ambos

Resposta à pergunta nº 1

A está correto. Se o geneticista pudesse fazer isso, apenas o genótipo mudaria. Lembre -se de que são necessários dois alelos verdes para produzir um fenótipo verde. Nesse caso, apenas um y (amarelo) foi substituído. Como Y (amarelo) é dominante, é preciso apenas um para manter o fenótipo amarelo.

2. Em humanos, os olhos castanhos são uma característica dominante, enquanto os olhos azuis são recessivos. Dois pais com olhos castanhos têm um filho com olhos azuis. Como isso é possível? A. não é possível. B. Cada pai contribuiu com um alelo recessivo. C. O bebê é um mutante.

Resposta à pergunta nº 2

B está correto. Embora seja possível que as células do bebê sejam mutadas após a concepção, é muito mais provável que o bebê tenha recebido um alelo recessivo de cada pai. Ao mostrar o fenótipo marrom, cada pai também pode ter um alelo de olho azul recessivo. Se ambos os pais contribuirem com o alelo recessivo para o bebê, o bebê terá dois alelos recessivos e olhos azuis.

3. Duas pessoas com albinismo comparam seu DNA e descobrem que não têm as mesmas mutações. Como ambos podem mostrar o fenótipo do albinismo? A. diferentes vias são mutadas. B. O albinismo é contagioso. C. O teste genético é inconclusivo.

Resposta à pergunta nº 3

A está correto. O pigmento melanina começa como um produto químico completamente diferente e deve passar por uma variedade de reações químicas antes que se torne melanina funcional. Se qualquer uma das enzimas ou caminhos for obstruída por causa de uma mutação no DNA, todo o caminho é desligado. Dessa forma, duas pessoas podem ter mutações completamente diferentes e mostrar o mesmo fenótipo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.