notas de corte sisu

Bainha de mielina

Última atualização em 19 de agosto de 2022

Definição da bainha de mielina

A bainha de mielina é um isolante gordo mais tarde que envolve as células nervosas dos vertebrados da mandíbula, ou gnatostomos. Todos os membros existentes dos gnathostomata, de peixes a humanos, têm uma bainha de mielina no axônio de suas células nervosas. Os membros mais antigos conhecidos dos peixes com mandíbulas, os exintos placodermos, eram peixes blindados que parecem ter mais nervos primitivos que não são cobertos em bainhas de mielina. Os tecidos moles de um placoderm foram preservados em um organismo que viveu mais de 400 milhões de anos atrás no final do período Devoniano na Austrália. As evidências atuais sugerem que a bainha de mielina evoluiu algum tempo depois disso, à medida que a linhagem atual de vertebrados divergiu dos placodermos blindados. Alguns invertebrados desenvolveram substâncias semelhantes à bainha de mielina, que servem uma função semelhante.

A bainha de mielina é produzida em um processo chamado mielinização, no qual pode ser visto na imagem acima. A bainha de mielina das células nervosas é normalmente produzida no início do desenvolvimento. As células especiais chamadas oligodendrócitos ou células Schwann criam e armazenam grandes quantidades de mielina. Os oligodendrócitos então se envolvem em torno do axônio de uma célula nervosa. Muitos oligodendrócitos são necessários para cobrir os axônios longos em mamíferos, que podem ter até um metro de comprimento. Por si só, a mielina é uma substância gordurosa que parece branca. Em partes do cérebro e do sistema nervoso chamado substância branca, há um excesso de bainha de mielina. Na substância cinzenta, mais corpos celulares estão presentes. A mielina é quimicamente composta de vários lipídios e proteínas, que também absorvem um pouco de água.

Algumas doenças degenerativas, como esclerose múltipla, resultam na degradação da bainha de mielina. Isso pode levar a um amplo número de efeitos colaterais e, eventualmente, paralisia e morte total. A bainha de mielina é necessária para isolar os nervos um do outro e acelerar os sinais de tempo passam ao longo de nervos longos. Sem essas funções, os sinais se tornam mistos e os movimentos normais se tornam impossíveis. A cegueira e outras condições neurológicas relacionadas aos danos nos nervos ocorrem quando a bainha da mielina é removida.

Função da bainha de mielina

A bainha de mielina tem várias funções no sistema nervoso. As principais funções incluem a proteção dos nervos de outros impulsos elétricos e acelerar o tempo necessário para um nervo atravessar um axônio. Os nervos não mielinizados devem enviar uma onda por todo o comprimento do nervo. Em grandes organismos, isso apresenta um problema, pois o sinal leva muito tempo para chegar ao final do nervo. Devido à condução salutatória, as bainhas individuais de mielina fazem com que o sinal salte de um nó de Ranvier para o outro. A bainha de mielina não permite que o potencial de ação se forme onde cobre o axônio. Em vez disso, a onda elétrica criada em cada nó impulsiona o potencial de ação até o final do nervo, se ela pode ser transferida para o próximo neurônio. Esse modo de propagar um sinal no axônio também economiza energia, pois as bombas de sódio e potássio que regulam o potencial de ação não são necessárias sob a bainha da mielina. Embora a bainha de mielina seja vista apenas em vertebrados, a condução salutatória é vista em muitos animais. Esse fenômeno pode ser visto no gráfico abaixo.

Termos de biologia relacionados

  • Neurônio – Uma célula nervosa, que carrega um sinal para outras células nervosas no sistema nervoso.
  • Axônio – As longas extensões de neurônios que transportam impulsos nervosos para o próximo neurônio.
  • Dendrite – Uma pequena estrutura que os neurônios usam para se comunicar.
  • Nó de Ranvier – Pequenos espaços entre células separadas da bainha de mielina.

Questionário

1. Em doenças nervosas degenerativas, a bainha de mielina é perdida e produz vários sintomas. Muitos desses sintomas podem progredir para paralisia e morte. Por que alguns organismos existem sem bainha de mielina e ainda funcionam? R. Eles são evolutivamente adaptados para funcionar sem mielina. B. Esses organismos devem se mover e funcionar a uma taxa mais lenta que os humanos. C. As células nervosas devem ser mielinizadas para funcionar.

Resposta à pergunta nº 1

A está correto. Muitos organismos com cérebros complexos e sistemas nervosos não têm bainhas de mielina ao redor de seus nervosos. A bainha de mielina é simplesmente uma estratégia para reduzir o tempo que um sinal leva para transversal o corpo. Alguns organismos criaram alternativas às bainhas de mielina, enquanto alguns organismos simplesmente desenvolveram neurônios com diferentes capacidades. Os seres humanos não podem funcionar sem uma bainha de mielina, porque seus neurônios e sistemas nervosos evoluíram para lidar com sinais de uma certa velocidade e qualidade. Sem isso, as informações não podem ser processadas da mesma maneira pelo sistema nervoso, e os sinais não podem ser enviados aos músculos e órgãos.

2. As mães grávidas geralmente são instruídas a comer muitas “boas gorduras”, como nozes e abacates, para ajudar no desenvolvimento cerebral de seus filhos. Por que a gordura é necessária durante o desenvolvimento do cérebro? A. Para criar bainhas de mielina. B. para manter as células nervosas agradáveis e gordas. C. para separar as células nervosas uma da outra.

Resposta à pergunta nº 2

A está correto. A gordura é tipicamente incorporada em células especializadas como oligodendrócitos, que armazenam a gordura e envolvem -se no desenvolvimento de células nervosas. Enquanto a bainha de mielina ajuda a isolar as fibras de células fortemente ligadas uma da outra, ela não é diretamente a gordura, mas toda a estrutura da bainha de mielina que realiza essa tarefa. Na maioria dos vertebrados, a bainha de mielina de cada nervo é criada no início do desenvolvimento e nenhum mecanismos conhecido repara ou substitui a mielina. Isso faz parte da razão pela qual as doenças cerebrais degenerativas são tão difíceis de tratar.

3. Por que a velocidade em que os sinais são conduzidos importantes? R. Alguns organismos devem coordenar partes do corpo muito além do outro. B. Sinais mais rápidos significam organismos mais rápidos. C. Organismos mais inteligentes conduzem sinais em alta velocidade.

Resposta à pergunta nº 3

A está correto. Muitos organismos têm partes complexas do corpo, com muitos músculos, articulações e outras estruturas, que devem ser movidas de maneira altamente coordenada. O organismo deve adquirir informações do corpo, processar -as no cérebro e enviar um sinal de resposta rápido o suficiente para que uma reação significativa possa ocorrer. Embora os processos individuais possam precisar ocorrer rapidamente, os organismos podem ser muito lentos, como uma tartaruga. Os cientistas teorizaram que os nervos humanos poderiam transmitir sinais mais rapidamente do que os neurônios dos macacos, no entanto, essa teoria foi rapidamente refutada. Mais importante para a inteligência é a estrutura e o arranjo dos neurônios no cérebro e no corpo. A evolução da bainha de mielina simplesmente acelera os sinais, para que os organismos possam reagir aos muitos estímulos que recebe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.